Viver o sínodo como apóstolos no meio do mundo

D. Carlos Lema Garcia

Ao retomarmos as nossas atividades neste ano, estamos num bom momento para considerar a nossa responsabilidade pela Igreja, neste caminho sinodal que percorremos na Arquidiocese.

Há uma cena ocorrida na Igreja nascente que pode nos servir de exemplo de iniciativa apostólica. Trata-se de um episódio narrado no livro dos Atos dos Apóstolos: “Um anjo do Senhor dirigiu-se a Filipe e disse: ‘Levanta-te e vai para o Sul, em direção do caminho que desce de Jerusalém a Gaza, a Deserta’. Filipe levantou-se e partiu. Ora, um etíope, eunuco, ministro da rainha Candace, da Etiópia, e superintendente de todos os seus tesouros, tinha ido a Jerusalém para adorar. Voltava sentado em seu carro, lendo o profeta Isaías”. Tratava-se de um funcionário com um alto cargo, equivalente ao ministro da Economia ou da Fazenda de uma rainha da Etiópia. Também se vê que era uma pessoa interessada: aproveita a viagem para ler a Sagrada Escritura. “O Espírito disse a Filipe: Aproxima-te para bem perto deste carro. Filipe aproximou-se e ouviu que o eunuco lia o profeta Isaías, e perguntou-lhe: ‘Porventura entendes o que estás lendo?’. Respondeu-lhe: ‘Como é que posso, se não há alguém que me explique?’. E rogou a Filipe que subisse e se sentasse junto dele”.

Trata-se de uma pessoa como hoje frequentemente encontramos ao nosso lado: tem uma inquietação religiosa, procura conhecer melhor as coisas de Deus. Ao mesmo tempo, sente necessidade de ajuda: como poderei entender se ninguém me explica? De fato, era difícil entender o texto, porque Isaías descrevia o Messias sofredor, que morre nas mãos dos seus inimigos: “Como ovelha, foi levado ao matadouro; e como cordeiro mudo diante do que o tosquia, ele não abriu a sua boca. Na sua humilhação foi consumado o seu julgamento. Quem poderá contar a sua descendência? Pois a sua vida foi tirada da terra (Is 53,7s.). O eunuco disse a Filipe: ‘Rogo-te que me digas de quem disse isto o profeta: de si mesmo ou de outrem?’. Começou então Filipe a falar, e, principiando por essa passagem da Escritura, anunciou-lhe Jesus”. Filipe explicou-lhe que o Messias esperado havia sido morto e havia ressuscitado, tal como previra. “Continuando o caminho, encontraram água. Disse, então, o eunuco: ‘Eis aí a água. Que impede que eu seja batizado?’. Filipe respondeu: ‘Se crês de todo o coração, podes sê-lo’. ‘Eu creio’, disse ele, ‘que Jesus Cristo é o Filho de Deus’. E mandou parar o carro. Ambos desceram à água e Filipe batizou o eunuco. Mal saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou Filipe dos olhares do eunuco, que, cheio de alegria, continuou o seu caminho.

Este relato condensa os passos da atividade apostólica: o discípulo de Cristo, movido pelo Espírito Santo, obedece com prontidão ao seu mandato, fala de Jesus apoiado nos textos da Sagrada Escritura e suscita o desejo de receber o Batismo. Deus quer se utilizar dos nossos contatos normais com as pessoas, dos nossos encontros, das aparentes coincidências, para se aproximar delas. Nós também precisamos ter iniciativa para estabelecer um diálogo com as pessoas. Filipe faz uma pergunta certeira: “Porventura, entendes o que estás lendo?”. É muito importante saber fazer as perguntas certas para as pessoas. Em que você acredita: nos homens ou em Deus? Você encontrou o sentido para a sua vida? Depois podemos falar da nossa experiência, dos textos bíblicos que nos tocaram especialmente, falar de Jesus, das suas palavras, do seu amor, da promessa da vida eterna etc. Viveremos bem esse tempo de sínodo se nos empenharmos em falar de Deus às pessoas com quem convivemos: isso, na prática, significa ser responsáveis pela Igreja e verdadeiros amigos das pessoas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rolar para o topo
Facebook
Twitter
Instagram