Encontrar Deus no silêncio

D. Carlos Lema Garcia

Vivemos numas condições que, esperamos, nunca mais se repitam em nossas vidas. Em razão do isolamento social como prevenção de contágio do coronavírus, estamos passando diariamente por um período de maior silêncio. Silêncio nas ruas pela diminuição do trânsito, dos barulhos causados pelas pessoas reunidas nos bares, restaurantes, falando nas calçadas etc. Queiramos ou não, mesmo que estejamos com nossas famílias e tenhamos nossos trabalhos e atividades normais, dentro das nossas casas também temos muitos momentos de silêncio. E o silêncio não é um vazio, mas tem grande importância para o cultivo da vida interior.

Tem toda atualidade o que o Cardeal Robert Sarah escreveu em um livro intitulado “A força do Silêncio”: “O repouso interior e a harmonia só podem resultar do silêncio. Sem ele não existe vida… As verdadeiras questões da vida colocam-se no silêncio. O nosso sangue corre nas veias sem fazer barulho, e só conseguimos escutar os batimentos do nosso coração no silêncio.”

Podemos tirar um grande benefício deste confinamento e deste silêncio para aumentar a nossa proximidade com Deus. É conhecida uma passagem da Escritura em que o profeta Elias está cansado e assustado: a rainha pagã Jezabel coloca todos os seus poderes para perseguir o profeta até a morte. Ele esteve andando pelo deserto durante quarenta dias. Está exausto. Desanimado. Ao chegar ao Horeb, o monte de Deus, o profeta Elias entrou numa gruta, onde passou a noite. “E eis que a palavra do Senhor foi-lhe dirigida nestes termos: Sai e permanece sobre o monte diante do Senhor, porque o Senhor vai passar”… Antes do Senhor, porém, veio um vento impetuoso e forte, que desfazia as montanhas e quebrava os rochedos. Mas o Senhor não estava no vento… Depois do vento houve um terremoto. Mas o Senhor não estava no terremoto… Passado o terremoto, veio um fogo. Mas o Senhor não estava no fogo. E depois do fogo ouviu-se um murmúrio de uma leve brisa.” (I Reis 19, 9a.11-16).

Esta cena se repete agora em nossas vidas. É como se Deus nos perguntasse: o que acontece com essa correria e esse tumulto na tua vida? Ou como se Deus nos dissesse: sai um pouco desta agitação, para por um momento essa correria e entra num lugar separado, cultiva uns instantes de solidão acompanhada porque Eu vou passar bem perto. É interessante reparar que Deus se comunicou com Elias através do murmúrio de uma brisa suave: Deus fala na calma do silêncio. Deus não nos força. Seu influxo é suave, porque Deus respeita a nossa liberdade. Devemos ser sensíveis às palavras e aos requerimentos de Deus para as nossas vidas.

Muitas pessoas estão reconhecendo que, desde o início da quarentena, estão sentindo a necessidade de rezar muito mais do que antes. Encontram tempo para ler a Bíblia, para fazer um tempo de reflexão, de meditação sobre o sentido das suas vidas, para reavaliar os seus valores e para conviver mais intensamente com a própria família. Outros, com razão, sentem uma enorme falta de assistir à Santa Missa, de receber a Comunhão e se confessar…

Aquela presença de Deus na brisa suave foi suficiente para que Elias recuperasse o ânimo e continuasse sua missão. Nós também temos o desejo de recomeçar a nossa atividade normal, mas com a experiência de haver aprendido a estar mais tempo com Deus, a melhorar a qualidade da nossa vida de oração.

Por isso permanecem plenamente atuais as recomendações de Jesus de que devemos rezar em silêncio: “Quando orares, entra no teu quarto, fecha a porta e ora ao teu Pai em segredo; e teu Pai, que vê o que se passa em segredo, te recompensará” (Mt 6, 6). É o silêncio do coração que se abre a Deus numa conversa sincera e direta, de quem se sabe na presença de Deus e se retira a um local silencioso para contar-lhe as suas coisas. Vamos fazer essa experiência diariamente: aproveitar um momento de silêncio e colocar-nos diante de Deus. Ele quer conversar conosco e nos pergunta sobre o que nos preocupa, quais são os nossos temores, as nossas necessidades, as nossas tristezas e alegrias. O diálogo da oração prossegue ao contarmos para Deus as nossas coisas e, o que é mais importante, quando percebemos que Deus nos responde. Se a oração é uma conversa, as duas partes devem falar e ouvir. É muito consolador perceber que Deus nos responde de verdade: pode ser por uma inspiração que nos vem à cabeça, ou um texto da Bíblia, ou um acontecimento ou um conselho de alguém etc.

Um dos benefícios que tiraremos dessa quarentena será manter esses momentos de silêncio que nos ajudam a crescer na amizade com Deus, a ter um diálogo de oração e assim começaremos a conhecer e amar a Vontade de Deus acerca das nossas vidas, a decidir-nos a sermos cristãos coerentes, mais generosos e atenciosos com as pessoas. Seremos pessoas mais ponderadas e decididas se aproveitarmos o silêncio para mantermos a alma aberta ao diálogo com Deus.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rolar para o topo
Facebook
Twitter
Instagram